Esqueçam os livros!

Léo Ustarroz

Há alguns anos Porto Alegre lançou o projeto “Estante Pública”, que incentivava a troca de livros em paradas de ônibus. Dentre os motivos da descontinuidade estão desde a baixa adesão de doadores, até a coleta daqueles livros para comercializá-los como papel.

Tal projeto alinhava-se ao “bookcrossing”, surgido nos EUA em 2001, consistindo na prática de deixar um livro em local público para ser encontrado e lido por outros leitores, que replicariam a ação. Através desse compartilhamento, o acesso à leitura seria ampliado e — quem sabe? — universalizado.

No Brasil, desde 2013 várias ações tem sido feitas em São Paulo, quase sempre por iniciativas pessoais.  Recentemente, a criação da página do Facebook (@EsquecaUmLivroOficial) tem motivado adesões e eventos de “esquecimento” em maior escala, que se estendem pelo país afora. O tamanho da ação varia desde uma grande e visível intervenção urbana, envolvendo variados agentes e muitos livros, até uma singela iniciativa pessoal de “esquecer” apenas um livro em local público.

Em tempos que pedem compartilhamentos (moradia, trabalho, carros, e o que vem por aí), quem sabe nos desapegamos dos livros esquecidos em nossas estantes, e compartilhamos mais do que eles próprios, mas a oportunidade de leitura e desenvolvimento pessoal.

          Afinal, não há como discordar de Mario Quintana quando disse que “Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas.”

          Então? Vamos esquecê-los por aí?

 

Comentários:

Estava com saudade de te "ouvir". Está certo, Léo, devemos insistir na troca de livros. Um abraço.
Maria Rosa Fontebasso, Porto Alegre 19/06/2017 - 16:52

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "520004" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela