Livros para nichos

Paulo Tedesco

Anunciar tresloucadamente no Facebook, torrar a paciência dos amigos nas redes sociais e aparecer até no boteco da esquina com o livro embaixo do braço, não faz ninguém ficar conhecido, tampouco melhorar a visibilidade da obra.

Para início de assunto, não existe somente Facebook, e esse ainda é tímido nos números de retorno de vendas de livros, muito tímido. Também existem, antes dos jornais e redes sociais, os interesses de grupo, ou os nichos, e são nesses que devemos focar o início de uma carreira. Aliás, para qualquer início de carreira, autoral e editorial,o nicho é fundamental.

Um exemplo caseiro é de que o primeiro leitor a comprar nosso primeiro livro, usualmente, é aquele que nos cerca como amigos, vizinhos e familiares. Esse grupo, por si, se constitui num nicho. Ainda que talvez não vá seguir comprando sempre seus livros, é um modelo que deve ser observado.Desenvolver outros grupos de interesse e dialogar com eles,num segundo momento, e a partir de outros laços, é sim a melhor forma de se fazer crescer, não só um público leitor, mas também testar os conteúdos que são produzidos ao longo do tempo.

Há os grupos dos tempos da faculdade e os grupos do futebol dos domingos à tarde, os amigos da cerveja e do videogame, do clube que frequentam os filhos e de suas escolas, e há aqueles que aprendemos a nos relacionar digitalmente e que têm afinidades de gostos e interesses. Pois épara esses que podemos iniciar e tentar fazer crescer a presença de nossos livros.

Atirar para todo o lado, para ficarmos num jargão muito conhecido, com as facilidades da internet, nunca foi tão fácil, mas concentrar o fogo numa única direção e avançar passo a passo, trincheira a trincheira, é um aprendizado que precisa acontecerna medida em que também se aperfeiçoa o que se escreve e como se publica. E aí está a riqueza de tudo, o editor ou autopublicador que aprende como e de que forma seu leitor se interessa por um livro, tem as portas do céu editorial escancaradas.

E sempre bom deixar claro, que uma ação buscando o nicho do seu livro, não é nem deve ser uma ação dispendiosa. Ela deve ser antes de tudo inteligente. E nisso inclui listar as pessoas que o autor ou editor acredita que deveriam, e poderiam, estar na atividade de lançamento. E caso não possam comparecer, encontrar o melhor caminho para uma pré-venda, com envio da obra autografada a posteriori.

Quando se fala em nada dispendioso, não quer dizer cometer o absurdo em se subir uma versão digital na Amazon pelo KDP ou disponibilizar um PDF e liberar para a leitura, para depois “ver” a resposta dos leitores. Isso, definitivamente, não é inteligente, é uma atitude que afasta não só o bom e mais crítico leitor, que poderia não só comprar como ajudar com uma opinião para seguir a carreira, como demonstra a insegurança do autor ou editor no seu livro. Em outras palavras, quem perderia seu tempo lendo algo que nem o autor confia? Quer uma receita para evitar esse beco? Aposte no nicho.

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "455211" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela