Os livros e a liberdade frente ao ódio

Paulo Tedesco

Nas épocas de crise é que o livro ganha valor, em especial quando a crise anda a conquistar as formas que todos assistem: manifestações de ódio e ameaça de violência gratuita, respaldados pelo desejo de rearmar indiscriminadamente o povo e transformar, em segundos, situações pacíficas em violência real e sangrenta, onde vítima e criminoso se confundem.

Nessa instância, de grande e crescente tensão, publicar sem medo e assumir posição nos debates é o mais recomendado. Em outras palavras, dar voz é a melhor maneira de se aliviar a pressão de quem quer falar, e mesmo que o que digam seja não muito recomendável, é preciso dar-lhes espaço e voz.

E o livro e o mundo editorial tem seu papel a cumprir, pois as ditaduras se valem, sempre, da primeira lei: a da mordaça. Sim, é a censura direta e indiscriminada a primeira das violências quando a democracia cambaleia. Nossa tarefa, de quem está no meio editorial, é, com afinco, procurar vozes novas e dar curso a outras ainda que discordemos. O que me lembra das recentes palavras de um editor amigo: devemos publicar mesmo o que não nos agrada.

Essa roleta russa, de dar espaço a ideias, só é perigosa para quem não tem a confiança em si. Afinal, é disso que se valem as instituições que não aceitam que seus afiliados tenham vez em suas próprias opiniões ou que possam buscar aprender novas posições na busca do esclarecimento.

E por que um livro ganha valor na crise? Porque em tempos multiconectados, onde a censura de grandes corporações internacionais como Google e Facebook, muitas vezes secundados por elementos estranhos ao livro, como a Justiça institucional e polícias estrangeiras como o FBI, é algo corrente e cotidiano e claramente vem interferindo no comportamento do cidadão, é talvez a melhor e mais democrática resposta aos arautos do silêncio. Afinal, nem Google, nem Facebook nem o FBI conseguem “derrubar” um livro, e talvez justamente por isso é que as livrarias possam voltar a ser um local de resistência, assim como os canais online livres da censura e totalmente independentes.

Um dos maiores pré-requisitos da liberdade é a multiplicidade de ideias, o respeito às diferenças e a tolerância dos contrários. E a melhor, e certamente mais eficaz forma, é o mercado editorial permitir e colaborar para que tudo, eu disse tudo, seja passível de publicação.

Não temamos dar páginas a quem desgostamos, pois elaborar uma ideia nefanda em livro, num verdadeiro livro, geralmente permite que essas ideias estapafúrdias, como as de Bolsonaro, por exemplo, mostrem sua absoluta insanidade e fragilidade. E o oposto também é verdadeiro: ideias positivas mas que carecem de argumentação e construção, uma vez em livro, num bom livro, também pode mostrar suas fraturas e impossibilidades. E assim se constrói um de bate, abrindo portas e janelas.

É de se entender, portanto, que ser editor e autor, é dotar-se de coragem, de ousadia. Não por coincidência que se queimam livros nos períodos de repressão, pois estão a queimar ideias e autores. Democracia sempre!

 

Comentários:

Texto inspirador... Estava precisando dele.
Eliza Carolina Viganó Gonçalves, Laguna/SC 23/06/2018 - 06:34

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "082801" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela