Politicamente correto ou potencialmente ofensivo?

Marcelo Spalding

Diz-se que acabou a era do politicamente correto. Ninguém entendeu bem exatamente o que isso significa, mas de minha parte já vai tarde, o termo é péssimo. Proponho que se mude para potencialmente ofensivo.

Evitar usar termos pejorativos como "negrada", "judiaria" ou "mangolão" não tem nada de político e nem mesmo de correto. É uma questão de civilidade, empatia. Se alguém pode se ofender com um termo, uma cena ou um estereótipo, você tem a obrigação de se perguntar: eu quero mesmo manter isso?

Talvez você argumente que as pessoas não deveriam se ofender com "tão pouco", que um judeu não deveria se ofender com o termo "judiaria" ou mesmo que as loiras deveriam entender como uma homenagem as piadas de "loira burra". Mas não temos o controle sobre o sentimento das pessoas, então se uma palavra, frase, cena ou construção tem o potencial de ofender um grupo social, você deve refletir sobre o peso de utilizá-la. Não é uma questão de ser ou não politicamente correto. É de respeito.

Eu, por exemplo, quando criança e adolescente sempre ouvia e repetia piadas sobre mancos, coxos ou deficientes em geral. Achava graça. Até que meu pai teve um AVC, ficou tetraplégico e nunca mais consegui ouvir as piadas desse tipo nos programas de rádio que ele ouvia em cima da cama, por exemplo, do mesmo jeito. A gente só percebe o potencial ofensivo desse tipo de “brincadeira” quando passamos para o outro lado. Mas não deveria, não precisaria ser assim.

Claro que se o autor quiser usar a construção potencialmente ofensiva, seja na voz do narrador ou da personagem, é uma escolha consciente e ele não deve ser proibido. Embora também a editora possa não se achar à vontade para publicar o texto com determinado trecho. O que defendo não é a censura nem mesmo o mascaramento dessas questões sociais, e sim o fato de que muitos usam sem se dar conta, sem perceber que podem ofender e com isso, no mínimo, perdem leitores.

Além das palavras que hoje estão no centro de disputas socioculturais, é preciso ter um cuidado enorme com generalizações. Certa vez um aluno começou um texto assim: “Ela fingia, como toda moça faz, com um sorriso no rosto”. Como assim “toda moça faz”? E isso era frase do narrador, não de algum personagem machista ou limitado. Passou batido pelo autor, não era essa a temática do texto, soou natural para ele até que eu o alertei e ele me agradeceu muitíssimo por isso.

Talvez haja exagero? Talvez. Mas estamos em um momento de descoberta dessas questões, do poder da palavra, da construção de empatia, então pode levar um tempo para termos um equilíbrio e estarmos mais seguros para usar ou não construções como “todxs alunxs”, que eu particularmente não uso, mas entendo e respeito quem use.

Importante, nesse momento, é demonstrar que evitar termos como "negrada", "judiaria" ou "mangolão" não tem nada a ver com direita ou esquerda, com liberdade ou censura, com ser tradicional ou moderno, com o tal politicamente correto. É uma questão de civilidade, de respeitar nosso possível leitor, evitando assim construções potencialmente ofensivas.

 

Comentários:

Excelente texto, professor! Vem ao encontro do meu pensamento. Naogisto de termos depreciativos, nem na linguagem falada e menos ainda, na escrita. O respeito aos nossos semelhantes é determinante para uma boa convivência, em sociedade.
Maria Theresinha Gonçalves Mattos, Florianópolis/SC 01/07/2019 - 12:12
Adorei o texto. Já estou cansada de ser "acusada" de politicamente correta (em tom pejorativo mesmo), quando o que procuro é tão somente respeitar as diferenças e os sentimentos alheios.
Silvia Generali da Costa, Porto Alegre/RS 26/06/2019 - 14:09
Parabéns Marcelo por mais este texto. De uma forma simples e objetiva, tu abordas a questão sem entrar em ideologismos e bandeira protecionistas. É isto que penso que precisamos, civilidade!
Rogério Anele, Porto Alegre 08/06/2019 - 09:34
MARCELO, teu testo que ainda achei leve, vale para um começo de uma luta para que se tende melhorar o linguajar na escrita como na fala cotidiana.
Há muita raiva e muita falta de respeito.
Compartilhei de teu perfil mo FACEBOOK
AGLAÉ MACHADO DE OLIVEIRA, Porto Alegre 15/05/2019 - 11:56
Muito bom o teu texto, Marcelo. Muitas vezes um detalhe passa despercebido ao autor, quando narrador. Há palavras que já foram de uso corrente tanto na lingua falada quanto na escrita e que são depreciativas, ofensivas mesmo. Jamais devem voltar a ser usadas. Otima essa tua abordagem.
Ana Maria da S. Teixeira, Estância Velha 09/05/2019 - 16:00
"...questão de civilidade, de respeitar..." penso que diz tudo sobre o ser e o fazer de um escritor.
Parabéns, Marcelo!
marina, Ubatuba/SP 09/05/2019 - 12:31

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "400606" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela