Apagão Literário

Cláudia de Villar

Há quem diga que o escrever é um ato solitário, outros são da opinião de que a produção escrita é feita de inspirações diárias, de fatos vividos ou observados. Enfim, para alguns escritores ou aspirantes, a escrita pode ser um ato de fácil execução, enquanto outros vivem superando momentos de total falta de “inspiração”, vivendo um quadro de bloqueio de escrita.

A discussão sobre esse tema pode render muitas possibilidades de respostas sobre o porquê do apagão literário. Entretanto, esse apagão, diferente do branco que surge na produção (ou a falta de produção) literária, nem sempre é por conta do não saber escolher um assunto a ser desenvolvido numa prosa ou numa poesia ou por não ter ideias criativas, mas pelo fato do excesso de vazio que surge. Esse excesso de vazio corrói o escritor.

O apagão literário pode ocorrer após uma publicação de um livro muito elogiado – então surge o medo de não corresponder às expectativas dos leitores numa nova publicação – ou pode surgir após um lançamento mal sucedido ou também, após um problema pessoal grave (gerando o estágio: UTI Literário).

Por fim, o pior dos apagões literários não é o não saber o que escrever, mas o não ter vontade de escrever e entre o não saber e o não querer há um enorme corredor hospitalar. O sentimento de grande vazio só não é maior do que o medo imensurável de não mais querer escrever. Esse estágio seria a depressão literária. Como fugir dessa UTI Literária? Não há uma única resposta ou caminho a seguir, mas várias hipóteses ou muitos “achismos”. O que se sabe é que um escritor, que um dia produziu algo relevante para a Literatura, não deve ser esquecido e, acima de tudo, não se deve deixar esquecer. O esquecer de si mesmo é a porta para o coma literário. Salve-se já ou socorra algum escritor.

 

Comentários:

Gostei muito deste teu texto, Cláudia. Inúmeras vezes me deparei com esse tal de apagão literário, porque me via diante de tantas possibilidades e caminhos a escrever que vinha esse vazio enorme assombrar o meu pensamento. Sim, "Esse excesso de vazio corrói o escritor."
Janete Sander Costa, Igrejinha, RS 06/08/2019 - 14:22
Abordagem certa sobre a timidez diante de obras e autores muito elogiados; às vezes nos desanima, mas geralmente é temporário esse medo.
Maria José Monte Holanda, Fortaleza-Ce 30/07/2019 - 15:34
Excelente reflexão, Cláudia. Define o problema, mostra as causas, desenvolve as consequências prováveis, expõe a ferida possível de cada leitor, faz meditar, e aponta soluções. Tudo com uma pitada de leveza e concisão. Parabéns.
Gerson de Ramos Sebaje, Pelotas-RS 29/07/2019 - 14:02

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "124808" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela