Somos ou seremos todos stênios

Maria das Graças Targino

Nada mais irreversível do que os ciclos de vida. De forma simplista, nascimento, quando a vida se inicia; morte, quando ela se esvai. Entre nascimento e morte, porém, há muito a acontecer. Há muitas variações. Há muitas etapas. Há muitos poréns. Há muitos senões. Afinal, a vida é feita de ciclos, com inícios, meios e fins. Nada é eterno. Em sua essência, a vida é um rio que flui. Em profunda reflexão do “Pai da dialética”, o pensador pré-socrático Heráclito de Éfeso (540-470 a.C.), ninguém penetra duas vezes no mesmo rio. Quando retornamos a ele em questões de segundos ou de horas, não encontramos as mesmas águas e nós já não somos os mesmos. Tudo é regido pela dialética e/ou tensão e pelo revezamento dos opostos.

Por sua vez, em termos biológicos, salvo imprevistos ou antecipações, dizemos que a vida humana integra fases centrais. A primeira é a infância, que se estende do nascer até os 11 anos, caracterizando-se pela descoberta do mundo à volta. Na adolescência, entre 12 e 20 anos de idade, as mutações mentais, intelectuais e físicas são profundas. Com a fase adulta, que se inicia aos 21, eis o enfrentamento diante da própria existência, do trabalho, da formação de uma família, da adesão a alguma religião, de hábitos e comportamentos delineados pouco a pouco. Adiante, sorrateiramente, chega a Dona Velhice.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define o velho (odeio os eufemismos – boa idade / melhor idade / terceira idade / idoso) como alguém com 60 anos de idade ou mais, limite válido para as nações em desenvolvimento, como o Brasil. Os países avançados adotam um ponto de corte de 65 anos de idade, uma vez que há, cada vez mais, indivíduos de 60 a 70 anos, que mantêm excelente qualidade e expectativa de vida e prosseguem ativos e produtivos no mercado de trabalho. De qualquer forma, reforçamos que o ser humano é único e mutável. Pode ocorrer que sua mente e suas condições físicas não reconheçam a rigidez desses marcos. Tudo pode acontecer...

Isto tão somente para externar nosso ponto de vista sobre a demissão do ator Stênio Garcia, 87, da Rede Globo, em 30 de março de 2020, depois de 47 anos de trabalho, com cerca de 60 atuações, incluindo novelas e séries na tevê, além de extensa filmografia. Não nos interessa julgar a emissora; o talento do ator; as futricas de bastidores; sua vida amorosa etc. Nosso intuito é discutir a identificação que, quiçá, muita gente, ainda lúcida, produtiva e sapeca vivenciou frente ao caso. Vê-lo rogando nas redes sociais e depois ouvindo sua fala reproduzida em canais de tevê e em sites e blogs chacoteadores e inescrupulosos para que lhe devolvessem seu emprego foi algo de cortar o coração. Exibição pública de sua vida financeira. Baque emocional e físico por ele descritos foram cenas muito fortes. Vislumbramos naquele Stênio derrotado e acabrunhado sua dignidade se esvaindo; suas entranhas e vísceras desavergonhadamente expostas.

De imediato, lembramos do já esquecido Reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, 59, depois de 18 dias de prisão arbitrária e vergonhosa pela Polícia Federal, ano 2017. Antes do suicídio planejado meticulosamente, registrou a mensagem em que dizia: “minha morte foi decretada quando fui banido da Universidade.” Também fomos banidas da Instituição pela qual e/onde vivemos. Entendemos, sempre, que tal como a natureza caminha em ciclos – suas estações (verão, outono, inverno, primavera) – o sol faz seu giro, a lua marca presença, o planeta Terra roda em torno do sol – temos que encerrar cada ciclo de vida. Há outros que emergem. Há outros que precisam de oportunidades e de espaço. É a renovação da existência e, sobretudo, das instituições.

Nossos relacionamentos evoluem ou involuem. Nossa espiritualidade transmuta-se. Nossos hábitos e comportamentos, idem. Alguém abandona o álcool ou o tabagismo. Alguém se encanta com a meditação e a ioga. E por aí vai. Nosso trabalho avança ou regride: o começo da carreira; o desenvolvimento, que cheira a entusiasmo sem fim; a plenitude, quando alcançamos pleno domínio de nossas funções; a saturação, quando o escanteio velado passa a incomodar; e, por fim, o momento de nos reinventarmos.

O processo existencial é um fato universal e necessário à alma ao cumprir um ciclo biológico e espiritual do ser humano. Porém, nada nem ninguém tem o direito de impedir que o outro encerre com amor e dignidade cada ciclo de sua vida. Nosso ponto de discussão é COMO o outro fecha / lacra / agride os ciclos de vida dos companheiros. Cada um de nós, no recôndito d’alma, precisamos estar atentos para saber quando um de nossos ciclos se esgotou. Se teimamos em nele estagnar, aos poucos, perdemos a alegria que nos resta para viver. Sempre houve stênios. Há stênios. Sempre haverá stênios perdidos mundo afora... Somos ou seremos todos stênios em diferentes nuanças ou circunstâncias.


Maria das Graças Targino é jornalista e pós-doutora em jornalismo pela Universidad de Salamanca / Instituto de Iberoamérica. E-mail para contato: gracatargino@hotmail.com

 

Comentários:

Soy un asiduo lector de los excelentes textos que nos regala la profesora Targino. "Somos ou seremos todos stênios" aborda un interesante tema. ¿Quién está en realidad facultado para determinar si alguien continúa en plenitud de sus facultades y competencias y, en consecuencia, poner freno a la carrera de cualquier persona, independientemente de la edad que tenga? Es lamentable saber que los ejemplos que coloca la profesora acontecen en todos los países, pero lo peor es que no podemos evitarlo.
Osvaldo Balmaseda Neyra, Havana, Cuba 06/08/2020 - 01:07
Verdades de ontem e de hoje.
Ótimo texto. Não tem como não chegar ao final. Parabéns!
Maria Helena Brito, Teresina. 04/08/2020 - 22:32
A vida é assim! Fazer o quê? Ela anda em ciclos e não em círculos! Num mundo em que poucos se percebem, como fazer para que vejam que a vida É O AQUI E O AGORA?
Cristina Barros, Teresina 04/08/2020 - 20:52
Reflexão precisa e fundamental para que se entenda a beleza e, ao mesmo tempo, a crueza da vida, principalmente para quem tem dificuldade de compreender seus ciclos. Parabéns por compartilhar conosco suas descobertas e percepções!
Raimundo Nonato Uchôa Araújo, Teresina 04/08/2020 - 20:30

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "382604" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela