Algumas impressão sobre o filme Slumdog Millionaire (Quem Quer Ser Milionário)

Ana Helena Reis

O que você faria se tivesse ganho o prêmio máximo num desses concursos tipo Show do Milhão? No filme Slumdog Millionaire (Quem Quer Ser Milionário), acompanhamos a trajetória de Jamal Malik Othman, um órfão de 18 anos dos bairros de lata de Bombaim e que está a uma pergunta de ganhar 20 milhões de rupias (cerca de 300 mil euros), feito que nenhum participante jamais conseguira até então.

Lançado em 2008, Quem Quer Ser Milionário é um filme britano-estadunidense . Uma adaptação livre do livro Q & A, do autor indiano e diplomata Vikas Swarup. Dirigido por Danny Boyle (autor de Trainspotting), e filmado na India, conta com muitos atores indianos como Freida Pinto (Latika), Irffan Khan e Anil Kapoor (Prem Kumar). Seu principal protagonista Dev Patel (Jamil), porém, é um ator britânico filho de pais indianos. O filme embolsou oito Oscars, como Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Fotografia e Melhor Canção Original, entre outros.

Amante do cinema, nos primeiros dias de exibição lá estava eu sentada, de olho na tela à espera da última questão que decidiria o prêmio; minha sensação, e creio que de grande parte da audiência, foi de estar frente à TV assistindo ao “Show do Milhão” e imaginando o que ganhar esse prêmio poderia significar na vida daquele candidato. O sonho do milhão, da fortuna que cai no colo de repente, exerce um fascínio sobre aqueles que não divisam outra oportunidade de enriquecer honestamente. E coloco aqui a ressalva – honestamente - porque as mega fortunas oriundas da corrupção política, por exemplo, também caem no colo e com um agravante: os afortunados quanto mais têm mais querem ter, não se contentam com o primeiro milhão que, normalmente, é a meta máxima da vida dos participantes desses Shows.

Tudo levava a crer que a trama do filme deslancharia a partir do momento em que Jamal ganhasse o prêmio máximo. Qual seria o impacto dessa fortuna na vida desse menino que, como muito outros que conhecemos na vida real, se tornam milionários da noite para o dia, haja visto alguns jogadores de futebol, cantores, Mcs e o recentes fenômenos midiáticos que são os Youtubers.

Nesse momento um interesse pelo filme até diminuiu, pensando se tratar de mais um desses filmes que conta a vida de sucesso ou fracasso do protagonista que enriquece subitamente.

Ledo engano. O filme, além de emocionante, é surpreendente! conta com um elemento fantástico que entra em cena na hora em que a polícia desconfia de que Jamal está fraudando o concurso e passa a interroga-lo, já que ninguém acreditava na possibilidade de um rapaz pobre e sem instrução levar o prêmio máximo. A partir daí a trama passa a ocorrer em dois tempos: o presente, que é o rapaz sendo inquirido pelos policiais sobre como conseguiu acertar cada questão, e o passado, quando então ele conta a linha de raciocínio que o levou a saber as respostas.

É dessa narrativa complexa e inusitada que entramos no mundo de Jamal e na história de sua infância; a cada questão, a chave da resposta traz à tona a miséria, o infinito poder de corrupção do dinheiro e, ao final, a surpreendente revelação do objetivo de Jamal em participar do concurso – não o prêmio em dinheiro, mas se fazer presente na televisão para que seu eterno amor, Latika, com quem viveu num orfanato e acabou perdendo de vista, o reconheça.

Essa reviravolta dá ao filme uma conotação poética, mas sugere também um outro olhar para o dinheiro, que é seu papel como meio e não como fim. Dinheiro pode ser o meio para se conquistar alguma coisa de valor pessoal muito maior, como foi o caso de Jamal. Mas como um fim em si mesmo é uma armadilha perigosa, pois aguça a ambição e com isso afrouxa os valores morais; para conseguir sempre mais e mais a lógica passa a ser “o fim justifica os meios”; e nesse jogo vale tudo, até vender a alma.

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "385311" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela