Mary Shelley: Criadora e criatura

Aline Peterson

Mary Shelley, filme dirigido por Haifaa Al Mansour, lançado em 2017, ano anterior ao que marca o bicentenário da primeira publicação de “Frankenstein”, retrata parte da história de vida de uma das mais brilhantes escritoras que já existiu: Mary Wollstonecraft Shelley. O filme concentra-se no período da vida de Shelley (interpretada por Elle Fanning) em que ela conhece Percy Shelley (interpretado por Douglas Booth), assim como nos períodos de escrita e lançamento de “Frankenstein”. Mary Wollstonecraft Godwin nasceu em Somers Town, em Londres, em 30 de agosto de 1797. Filha de duas personalidades importantes da Literatura: o filósofo William Godwin e a escritora Mary Wollstonecraft, Mary Shelley foi autora de biografias, ensaios, contos, entre outros. Entretanto, é devido a “Frankenstein: ou o Moderno Prometeu” que ela é mundialmente conhecida e considerada uma das mais importantes escritoras da Literatura mundial. “Frankenstein”, romance de terror gótico inspirado no Movimento Romântico, além de ser considerado um dos romances mais importantes já escritos, é um marco na Literatura, já que é apontado como a primeira obra de ficção científica da história.

No filme sobre a escritora, a essência de Frankenstein, sintetizada pela excessiva exploração desse personagem, é resgatada, trazendo, sobretudo a questão do abandono novamente para a superfície da obra, nos mostrando a profundidade dessa questão através da vida da própria autora. Shelley perdeu sua mãe dez dias após o seu nascimento. Além disso, foi abandonada pelo pai depois de começar a se relacionar com Percy Shelley, seu futuro marido. O filme, assim como o livro, trata também de questões como a perda, inadaptação e isolamento. A criatura de Shelley, memorizada a partir dos filmes de Boris Karloff na década de 30 como sendo verde com parafusos nas têmporas, um ser irracional e incapaz de se expressar, é descrita no livro de Shelley como sendo amarela, de cabelos longos, perfeitamente capaz de se comunicar e de formar ideias, muitas delas inspiradas em livros como “Paraíso Perdido” (John Milton), “Vidas Paralelas” (Plutarco) e “A paixão do jovem Werther” (Goethe), que a criatura lê para conhecer mais do mundo que o cerca. Ela também não dá nome à criatura em nenhum momento ao longo do livro. É também através do cinema que o conhecemos como Frankenstein, nome que na verdade é de Victor Frankenstein, seu criador.

O filme também traz questões que circundam a época da criação de “Frankenstein”, que envolvem outros escritores e outras obras. Foi durante a permanência na casa de Lord Byron, poeta ícone do Romantismo, no verão de 1816, na cidade de Genebra, Suíça, que Mary Shelley, assim como os demais escritores, teve a iniciativa de escrever uma história de terror: um desafio que serviria para passar o tempo, já que eles não poderiam sair do local, devido ao clima. Dois anos depois, o livro de Shelley foi publicado anonimamente, pois todos pareciam recusar sua autoria ou considerar o tema inapropriado para uma jovem. Só mais tarde, na sua segunda edição, o romance foi associado à verdadeira autora. Foi nesse mesmo verão e sob o mesmo desafio que Byron escreveu “O Prisioneiro de Chillon” e John William Polidori, “O Vampiro”, obra publicada em 1819 e atribuída erroneamente a Lord Byron. Polidori é responsável por transformar a imagem do vampiro no que ela é hoje: a figura demoníaca aristocrata que vive em alta sociedade, com alto poder de influência e persuasão. A história de John Polidori inspirou Bram Stoker a escrever “Drácula”, anos depois.

A solidão e abandono sofridos por Mary Shelley transformaram a Literatura mundial através da criação de Frankenstein, protagonista que, através de sua agonia, explora todos os limiares dos sentimentos humanos e dos questionamentos morais de um mundo que, assim como Victor Frankenstein, prefere encobrir a sua própria realidade.

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "372404" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela