O diálogo entre Jorge, de "Lambuja", e Luís da Silva, de "Angústia"

Cristiane Arteaga

Quando Graciliano Ramos escreveu "Angústia", em 1936, o intelectual era uma "exceção", dentro de uma "normalidade". Sua obra era restrita ao jornal e/ou publicada em livros por editoras tradicionais, como a José Olympio.

Hoje, mais de oitenta anos depois, todos se intitulam intelectuais. A internet, como bem disse Umberto Eco, deu voz a milhões de idiotas, que se auto proclamam donos da verdade (basta ver o que está acontecendo no Brasil em relação à pandemia da covid-19).

É neste mundo, de forte apelo tecnológico, de internet, mas com a mesma velha política e recorrente necessidade de prover, que está inserida a obra de Caco Belmonte, "Lambuja" (2017).

Num primeiro olhar, a história de Jorge, protagonista de "Lambuja", pode ser associada à de Naziazeno, de "Os Ratos", de Dyonélio Machado (1935), mas não se engane. Naziazeno e Jorge só têm em comum uma dívida a ser quitada. A complexidade de Jorge é mais compatível com Luís da Silva, protagonista da angustiante história de Graciliano.

Embora "Angústia" tenha sofrido duras críticas de seu autor, que afirmava que deveria ter cortado pelo menos 30% dela para torná-la "decente", é um clássico da literatura brasileira, associado à obra-prima de Dostoievski, "Crime e Castigo". Então, vê-se a qualidade que Graciliano teimava em negar.

Em "Angústia", conhecemos a história de Luís da Silva, intelectual nordestino, radicado no Rio de Janeiro, que é obrigado a vender seu trabalho intelectual para sobreviver. Relaciona-se com mulheres da vida e tem um certo conforto financeiro, pois possui uma empregada e um dinheiro guardado, além de estabilidade profissional. Isso até conhecer Marina, sua vizinha.

Por Marina, Luís perde tudo: dinheiro e razão. Em nome de um casamento que não se realiza, Luís se endivida e, desiludida, Marina busca consolo em Julião Tavares, este sim rico de verdade e capaz de dar-lhe os luxos necessários. Julião Tavares é rico, gordo e burro (tudo que Luís não é), mas, com seu dinheiro, tem o respeito que Luís almeja.

Luís é atormentado por um sentimento de inferioridade, acentuado com a traição de Marina. Arruinado, endividado, Luís percebe-se sem saída e, delírio ou não, encontra na morte de Julião Tavares o fim de seus problemas.

Jorge, por sua vez, é também jornalista endividado, que se relaciona com uma ex-prostituta (cujo "ex" é questionável). Sente-se explorado por ter que se vender intelectualmente, só que, no caso de Jorge, a "prostituição" é acentuada pelo fato de trabalhar com política. A frase: "Tudo é o dinheiro", repetida inúmeras vezes, ilustra bem o fato.

Sua relação com Rita (ex ou não mulher da vida) também se relaciona com o personagem de "Angústia". Em ambos os casos, os personagens têm sentimentos obsessivos. São homens aprisionados pelo desejo. Luís da Silva chega a espiar Marina urinar e Jorge não consegue esquecer o cheiro de Rita.

Nos dois casos, as mulheres, Marina e Rita, são objetos de desejo, cujos sentimentos jamais saberemos, pois não lhes é dada a oportunidade de expressarem-se. Marina troca Luís por Julião (por dinheiro?) e dele engravida, sendo obrigada a fazer um aborto. Rita deita-se com o desembargador para quitar uma parte da dívida de seu amor. No entanto, em ambas as narrativas, é a perspectiva masculina que prevalece.

Há ainda outras semelhanças entre "Angústia" e "Lambuja". A linguagem seca, direta, com trechos que se repetem, demonstrando o aniquilamento emocional dos personagens, arruinados por seus "amores" obsessivos. Porque, no fim, o mais importante (e que todos deveriam saber) é que a ruína humana se dá pelo fracasso no amor e não pela falta de dinheiro. Dinheiro não é tudo, felizmente.




Cristiane Arteaga é doutora em Literatura Comparada (UFRGS)

 

Comentários:

Muito boa a resenha. Seu texto - equiparativo de duas obras - faz jus à formação acadêmica da autora. E provoca o desejo de ler. Parabéns, Cristiane. Parabéns, editor Marcelo Spalding, pela competência e determinação de manter este importante site.
José Antônio Silva, Porto Alegre/RS 09/06/2021 - 13:42

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "310905" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela