Muito a dizer

Dariely de Barros Gonçalves

Definir arte e literatura é muito complexo. Aí estão envolvidas questões filosóficas, estéticas, culturais e sociais. Se é boa ou não, dependerá muito mais da forma do objeto ou da escrita, que do próprio conteúdo.

Então mudando o substantivo literatura por literariedade percebemos melhor, o maior ou menor grau de valor nos textos, independente do gênero, veículo em que são publicados e do contexto em que se encontram. Todavia, é certo que literatura, grosso modo: “a arte da palavra”, não é livro didático, panfleto político, jornalismo, artigo científico, opinião, publicidade.

Mas o que é um bom texto literário? Em primeiro lugar é necessário saber que ele não se confunde com conteúdo, apesar dele também ser importante, assim como o objetivo, o público e a forma. Esta sim, o ponto crucial. Estudos sobre a forma, ou estética, são milenares e tratam da natureza do belo e dos fundamentos da arte.

Por forma entende-se toda a técnica de criação utilizada num texto, inclusive as palavras escolhidas, as construções sintáticas, as relações de sentido, as metáforas, as figuras de linguagem, o ritmo, a rima... Naturalmente a forma e o conteúdo devem estar ligados, assim como a forma condicionada ao objetivo do texto e ao público a que ele se destina.

Quanto à crônica, em especial, aprecio muito a definição de Moacyr Scliar: "Crônica é a janela pela qual a literatura contempla o cotidiano”. Existe algo mais poético que o simples desenrolar da vida?

A crônica, para além de ser um texto fluido, treina a linguagem da sedução desde o título até a última linha. É preciso construir a frase e pensar o texto tanto com critérios estéticos quanto com lógica, harmonia, melodia, caso contrário, o leitor abandonará a leitura no primeiro parágrafo. Ademais, é preciso manter a rotina da escrita, porque a crônica tem prazo, tem hora. Ela cobra criatividade, capacidade de observação, informação. É preciso estar atento ao mundo e as pessoas e, ainda, ser breve, conciso.

Então, quando a inspiração faltar – e ela, por vezes, haverá de faltar – é necessário recorrer aos vários tipos de crônicas (conto, efeméride, anedótica, prosa poética, resenha...) e, principalmente, observar com mais profundidade a alma dos fatos, das pessoas, dos acontecimentos. Elas sempre têm muito a nos dizer.


DARIELY DE BARROS GONÇALVES, natural de Porto Alegre, RS, residente em Cachoeira do Sul, RS; advogada, bacharel em Filosofia; colunista do Jornal do Povo de Cachoeira do Sul, RS; membro de algumas academias literárias e associações culturais; possui mais de 250 textos publicados em jornais, revistas literárias, e-books, coletâneas e antologias, inclusive internacionais; detentora de alguns prêmios, o mais recente “Menção Honrosa” na Feira do Livro de Lisboa com a crônica: “Viajar é Trocar de Pele”.

 

Comentários:

Envie seu comentário

Preencha os campos abaixo.

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação: Repita os caracteres "591705" no campo ao lado.
 
  

 

Voltar
Site desenvolvido por metamorfose agência digital

DEPOIMENTOS

"Fiquei muito satisfeito com o conteúdo da Oficina. Minha experiência com escrita, agora vejo com maior clareza, era inteiramente prática ou intuitiva e, certamente, passível de ser substancialmente melhorada. Gostei muito da orientação obtida através da Oficina e, em particular, da tua avaliação do material dos desafios."

Décio Oliveira Elias,
Rio de Janeiro, RJ

mais depoimentos

 

Para Oficina de Criação Literária

 

 

 

curso desenvolvido pela